Atendimento: [14] 2106-7070
Faça sua consulta ao SCPC
Para maior segurança, mantenha sua senha em sigilo, e em caso de mudança de operador solicite uma nova senha.

Prédios municipais de Bauru terão 865 câmeras

Prédios municipais de Bauru terão 865 câmeras   

08/09/2018 07:00 – Política

Governo abriu licitação para contratar empresa que fará o monitoramento com alarmes e imagens em todos os espaços públicos da prefeitura

Thiago Navarro

Gazzetta: “por ser necessário instalar em muitos locais, vamos fazer um contrato de dois anos”

O pregão está marcado para o dia 26 de setembro. A empresa vencedora deverá instalar os equipamentos, dar manutenção e fazer o monitoramento remoto, avisando a prefeitura em um período de até 15 minutos caso alguma situação fique constatada em algum dos prédios da administração direta do governo.A Prefeitura de Bauru abriu licitação para, enfim, contratar empresa para o monitoramento dos prédios públicos municipais. São 190 imóveis próprios ou locados pela administração direta que receberão 865 pontos com câmeras e sensores de alarme, para evitar roubos, furtos e depredações, um problema crônico da cidade.

O edital da licitação prevê a instalação de um a oito pontos de monitoramento por imóvel, variando conforme o tamanho e características de cada prédio, dentro de quatro meses a partir da ordem de serviço. O contrato será de dois anos.

O local com o menor número de câmeras e sensores é o Napem, da Secretaria de Educação, com um ponto. Já os locais com maior número de pontos serão a Usina de Asfalto e o Zoológico, com oito cada. Na média, são cinco pontos por imóvel. As secretarias de Saúde e Educação concentram boa parte dos prédios, uma vez que está prevista a colocação das câmeras e sensores, gradativamente, em todas as unidades de saúde e escolas.

CRITÉRIOS

A prefeitura destaca no edital que são prioridades em segurança dos imóveis as salas de diretorias, almoxarifados, dispensas e secretarias. Os 190 prédios foram listados pela ordem em que devem receber os equipamentos. O primeiro é o prédio onde funciona a prefeitura, na Praça das Cerejeiras, que deverá receber cinco pontos. Depois, as câmeras deverão ser colocadas em prédios administrativos, nas administrações regionais, Centro Social Urbano (CSU), Centro Pop, Centros de Referência em Assistência Social (Cras), Teatro Municipal, Sambódromo e museus.

A partir daí, começa a instalação em escolas de Ensino Fundamental e Educação Infantil, nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA), Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Unidades de Saúde da Família (USF). Os valores serão custeados por cada pasta, dependendo da quantidade de câmeras e sensores que cada uma vai precisar, portanto Saúde e Educação deverão concentrar os maiores investimentos em segurança do patrimônio municipal.

‘VAI AJUDAR MUITO”

O prefeito Clodoaldo Gazzetta (PSD) afirma que a colocação de câmeras e alarmes é uma das principais ações para evitar o vandalismo e depredações em prédios do governo. “O monitoramento por câmeras vai ajudar muito, porque a empresa que for realizar o serviço fará o acompanhamento, e também o Copom da Polícia Militar, ao lado do videomonitoramento da cidade. Por ser necessário instalar em muitos locais, vamos fazer um contrato de dois anos, já colocando a manutenção. Essa é uma das ações que estamos fazendo para evitar problemas nos imóveis e preservar o patrimônio”, frisa.

Já o valor da contratação ainda não está definido, pois o pregão será no final deste mês e, como se trata de um processo de grande porte, a prefeitura espera a concorrência de várias empresas interessadas, o que pode reduzir o preço cotado inicialmente, no começo do processo de licitação. Gazzetta garante que há recursos orçamentários para realizar o monitoramento.

EM NOVEMBRO

O diretor da Divisão de Licitação da prefeitura, José Roberto dos Santos Jr., afirma que a previsão é do serviço começar a ser feito em novembro, pois, o pregão ocorre neste mês e há, depois, o prazo de recursos.

Assim, após a assinatura do contrato, a ordem de serviço deverá ser dada no final do ano. Desta forma, uma parte da verba deverá ser reservada ainda no Orçamento de 2018, e o restante entre 2019 e 2020.

ALARME

A partir da ordem de serviço, a empresa vencedora terá quatro meses para instalar as câmeras, sendo que, nos primeiros 30 dias após esta data, já deverão ser concluídas as montagens em 16 prédios. Depois, a cada dez dias, a empresa deverá apresentar os novos imóveis que forem recebendo o serviço, que passarão a contar nos valores de monitoramento.

Toda a instalação deverá ser acompanhada pela Divisão de Vigilância da prefeitura, ligada ao Gabinete do prefeito, e pela equipe de telefonia do governo. A estrutura deverá ser feita em conduíte de ferro zincado, por ser mais resistente, conforme o edital da licitação aberto nesta semana.

Já o monitoramento deverá ser feito obrigatoriamente em Bauru e, em casos em que houver disparo de alarme, a prefeitura deve ser avisada em até 15 minutos. A empresa ainda deverá mandar ao local um funcionário para vistoria em até meia hora. Se houver danos ao patrimônio, essa pessoa permanecerá no local até a chegada de equipes da prefeitura. A manutenção preventiva deve ocorrer a cada três meses, e a manutenção corretiva dos equipamentos poderá ser pedida a qualquer momento pelo município, caso verificado a necessidade.

Ronda Escolar

Ainda na manutenção do patrimônio, o prefeito Clodoaldo Gazzetta lembra que vai criar a Ronda Escolar, com a aquisição de cinco veículos. Eles poderão ser conduzidos por policiais através da atividade delegada. O vandalismo em escolas é um dos principais desafios da Secretaria Municipal de Educação, mas, com as câmeras e, futuramente, com a ronda nas unidades de ensino, a prefeitura espera resolver o problema.

DAE e Emdurb têm outras ações

A licitação aberta pela prefeitura envolve apenas a administração direta. No Departamento de Água e Esgoto (DAE), foram instalados alarmes em pontos mais críticos, porém, a colocação de câmeras em todas as unidades de produção – como poços, ETA e captação – com a telemetria custará R$ 4,2 milhões. O presidente do DAE, Eric Fabris, já pediu a contratação de um estudo, que ainda será licitado, para apontar o que deverá ser feito. Somente depois disso, o serviço poderá ser executado.

Já na Emdurb, o presidente Elizeu Eclair comenta que o Terminal Rodoviário e a Diretoria de Limpeza Pública (DLP), onde estão boa parte dos serviços da empresa, possuem câmeras de segurança, com a sala de controle ficando na própria Emdurb. Já os velórios e cemitérios municipais, administrados pela Emdurb, não contam com previsão de receber esse monitoramento.

Videomonitoramento é ”travado’ após empresa acionar a Justiça

Logo nos primeiros meses de seu governo, o prefeito Clodoaldo Gazzetta anunciou, enfim, a criação do videomonitoramento em Bauru. A cidade obteve recursos, através de emenda parlamentar do deputado federal Capitão Augusto (PR-SP), para instalar dez câmeras em vias públicas, ligadas ao Copom da PM. O Estado e o município também deverão investir.

A licitação foi concluída em julho, e a empresa vencedora para colocar os equipamentos foi a Fonesat, no valor de R$ 503 mil. “Mas uma das empresas entrou na Justiça. Com isso, o processo foi encerrado, mas não assinamos ainda. Esperamos resolver isso e já assinar o contrato com a vencedora para começar a montagem das câmeras”, cita Gazzetta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja um associado

Independente do porte e segmento da sua empresa, na ASSOCIAÇÃO certamente existe um benefício perfeito para vocé