Notícias

Em 2019, número de ‘feriadões’ será o menor dos últimos 5 anos

167Visualiazação
No ano que vem, quatro feriados cairão em sábados ou domingos, situação que se repetiu em 2014; economista é otimista em relação ao quadro

Começa hoje mais um feriado prolongado. Uns gostam deles, porque aproveitam o tempo para descansar ou viajar. Outros nem tanto, devido aos prejuízos econômicos de tantos dias parados. Estes últimos, inclusive,vão comemorar a chegada de 2019, que terá o menor número de “feriadões” dos últimos cinco anos. Em Bauru, as pessoas dividem opiniões sobre o tema (leia mais ao lado).Para se ter ideia, no anoque vem, quatro feriados nacionais cairão em sábados ou domingos: Tiradentes (21 de abril, domingo), Independência (7 de setembro, sábado),Nossa Senhora de Aparecida(12 de outubro, sábado) e Finados (2 de novembro, sábado) (veja quadro ao lado).Tal situação só se repetiu recentemente em 2014,quando três feriados nacionais caíram no domingo (Independência, Nossa Senhora de Aparecida e Finados) e outro no sábado (Proclamação da República, dia 15 de novembro).O economista Wagner Ismanhoto reconhece que o descanso prolongado faz bem ao trabalhador, mas acredita que, de maneira geral, os “feriadões” atrapalhem a economia, principalmente, o setor industrial. “Há várias fábricas que trabalham em esquema de linha de produção, ou seja, se você quebrar este processo em qualquer dia que seja, prejudicaria a semana inteira”.Quanto ao comércio, o economista avalia que os feriados prolongados também sejam inviáveis. “Quando você tem um feriado na quarta, tanto o consumidor quanto o trabalhador desanimam logo na segunda”

NA PONTA DO LÁPIS

Smanhoto reforça que estudos indicam que, se o feriado cair durante semana, o prejuízo da indústria e do comércio vai além daquele único dia. “Do ponto de vista do empresário,tais datas representam perda da capacidade de vendas e produção, muito mais que proporcional ao dia parado”, reforça.Inclusive, neste ano que está perto do fim, houve apenas um feriado no sábado, que foi o de Tiradentes. O restante se deu em dias úteis e desencadeou a chamada emenda.Para Ismanhoto, os “feriadões” não foram os responsáveis pela crise, mas não ajudaram a contorná-la. “Já em 2019, além de termos menos feriados prolongados, tenho a esperança de uma leve retomada, diante a perspectiva de um governo economicamente liberal”, finaliza.

PONTOS FACULTATIVOS

Conforme informações do Diário Oficial, Bauru terá nove pontos facultativos em 2019:2 de janeiro, quarta-feira, até as 12h, após a Confraternização Universal; 4 de março,segunda-feira, Carnaval; 5 de março, terça-feira, Carnaval;6 de março, quarta-feira, até as 12h, após o Dia do Trabalho;21 de junho, sexta-feira, após o Corpus Christi; 2 de agosto,sexta-feira, após o Aniversário da Cidade; 28 de outubro, segunda-feira, Dia do Funcionário Público; 20 de novembro,Dia da Consciência Negra,remanejado para 18 de novembro, segunda-feira; 24 de dezembro, terça-feira, véspera de Natal; 26 de dezembro,quinta-feira, até as 12h, após o Natal; e 31 de dezembro, terça-feira, véspera da Confraternização Universal.

FALA, POVO!

Você acha bom ou ruim 2019 ter menos ‘feriadões’?

“Para mim, não faz diferença alguma, porque estou desempregada evou ficar em casa de qualquer maneira”Bianca Laís da Silva, 29 anos Atendente


“Vai ser ruim, porque os momentos de confraternização em família e o lazer propriamente dito deverão diminuir”   Jonas Ramos, 31 anos Operador de máquina


“Não gostei muito da ideia, não. Quando tem feriado prolongado, fico mais tempo em casa e consigo descansar da escola”Rafaela Dias Linhare, 16 anos Estudante

 “Eu sou dona de casa e prefiro que não haja tantos feriados prolongados, porque há mais movimento e é melhor para passear ”Iceli Contador, 67 anos Dona de casa

“Para mim, não faz muita diferença, porque eu trabalho em padaria,que abre independente de ter ou não feriado ”Alexandre Rodrigues,21 anos Auxiliar geral

Eu acho muito bom,porque eu trabalho como segurança e ganho um dinheirinho a mais”Homero Gasparini, 62 anos Segurança