Notícias

Má alimentação faz câncer de próstata acometer homens cada vez mais novos

142Visualiazação

 

Há alguns anos, a doença era comum entre pacientes de 65 a 75 anos e, agora, atinge muitos a partir dos 55; hoje, começa o Novembro Azul

A s atribulações da vida moderna levaram o ser humano a basear a sua dieta em alimentos rápidos e ricos em carboidratos. Tal hábito, associado à falta de prevenção, fez com que o câncer de próstata acometesse homens cada vez mais novos. Há alguns anos, a doença era comum entre pacientes de 65 a 75 anos e, agora, atinge muitos homens a partir dos 55, conforme revela o urologista Aguinaldo Nardi, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) e membro do Instituto Lado a Lado pela Vida – ONG responsável pela criação do Novembro Azul, que será lançado hoje em todo o País, inclusive, em Bauru. Segundo o médico, ainda não há dados concretos sobre a incidência precoce do câncer de próstata, mas esta tendência já foi constatada pelos profissionais da área. “O aspecto alimentar pode ser determinante, afinal, a doença não é tão comum entre os homens que vivem em países orientais, onde a população consome bastante peixe e soja”, argumenta. De acordo com Nardi, a má alimentação também leva à obesidade, um dos três fatores de risco do câncer de próstata. “Não é que o paciente obeso tenha mais chance de ter a doença, porém, tal condição se manifesta de forma mais agressiva nele”, observa. Além da obesidade, a hereditariedade e a cor da pele também são fatores de risco. “O paciente cujo pai, avô, tio ou irmão foi diagnosticado com a doença tem oito vezes mais chances de ser acometido por ela. Tal condição costuma atingir, ainda, mais homens negros do que brancos”. C

PREOCUPANTE No ranking das principais causas da morte de homens, o câncer de próstata está em 3.º lugar, seguido das doenças cardiovasculares (2.º) e da violência (1.º)

Portanto, este grupo de risco deve se submeter à análise anual da próstata – por meio da dosagem do PSA, no sangue, e do exame de toque – a partir dos 45 anos. Já os demais têm de fazê-lo somente após os 50. Caso não haja diagnóstico precoce, a doença pode levar à óbito. Inclusive, este tumor mais incidente no público masculino – fora o câncer de pele não melanoma – mata cerca de 20% dos pacientes anualmente, só no Brasil, conforme estimativa do Instituto Nacional de Câncer (Inca). E mais: no ranking das principais causas da morte de homens, o câncer de próstata está em 3.º lugar, depois das doenças cardiovasculares (2.º) e da violência (1.º). A CAMPANHA Por isso, a importância da campanha Novembro Azul, que começará hoje, em todo o País. Em Bauru, o lançamento ocorrerá às 20h, no Centro de Diagnósticos da Unimed (CDU), que fica na rua Agenor Meira, 12-34, no Centro. Como o Jornal da Cidade noticiou, a agenda de ações já está programada: Feira da Saúde Lions Clube (dia 10), bem como palestras na Secretaria de Saúde (12), na USC (13), na UBS do Jardim Godoy (22) e na Igreja Rasgando os Céus (28). No município, o Novembro Azul contará, também, com a parceria e a coordenação local da Associação Paulista de Medicina – Regional (APM Bauru). A Prefeitura de Bauru também é parceira.

 

VOCE SABIA

Do tamanho de uma castanha e localizada abaixo da bexiga, a principal função da próstata é produzir uma secreção fluida para a nutrição e o transporte dos espermatozoides. Ao longo da vida, a glândula pode desenvolver três doenças: a prostatite (inflamação), a hiperplasia prostática benigna – HPB (crescimento benigno) e o câncer. Logo, a principal arma é a prevenção, já que as chances de cura do câncer estão diretamente relacionadas ao estágio em que a doença é descoberta. Estima-se que 90% dos homens podem ser curados, se diagnosticados precocemente.

 

Médico defende serviço exclusivo para homens Embora a incidência do câncer de próstata seja comum em homens cada vez mais novos, o urologista Aguinaldo Nardi não percebeu o aumento da procura espontânea pelo diagnóstico precoce. Ele acredita que, de forma geral, o público masculino não vá ao médico. “Existe uma cultura de que o homem é forte e não fica doente, mas isso não é verdade. Tanto que eles têm sete anos a menos de expectativa de vida do que as mulheres”, frisa. Para o médico, apesar de o Novembro Azul exercer um importante papel de conscientização, o governo deveria investir em políticas destinadas a este público, exclusivamente. “Seja por meio da criação de um ambulatório específico a eles, seja pela implantação de um horário de atendimento só para os homens. Infelizmente, ainda existe aquele velho preconceito de estar em uma sala de espera repleta de mulheres”, finaliza.