Atendimento: [14] 2106-7070
Faça sua consulta ao SCPC
Para maior segurança, mantenha sua senha em sigilo, e em caso de mudança de operador solicite uma nova senha.

A empresa cresceu? Aprenda como migrar de MEI para ME

Normalmente é comum iniciar as atividades de forma informal, ou seja, não legalizada

*Por Roberto Folgueral

Com o objetivo principal de recolher tributos sobre essa massa de trabalhadores informais, o governo criou em 2008 o programa MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL – MEI, sob o pretexto de facilitar a legalização e assim controlar o crescimento das atividades e do Produto Interno Bruto.

veja o passo a passo no final deste artigo

Esse programa, MEI, foi um avanço para os profissionais autônomos e para os pequenos comerciantes, em início de atividades, proporcionando-lhes alguns benefícios como aposentadoria e participação em licitações, além das compras diretas de fornecedores.

Tratando esse assunto, MEI, de forma genérica, a sua renda não pode ultrapassar R$ 60 mil, e o responsável não pode ser sócio em outro negócio, podendo ter até um funcionário, registrado com o piso da categoria profissional ou salário mínimo e o direito de registrar o endereço domiciliar.

Mas com o trabalho do empreendedor, o negócio desenvolve-se, e gora o que fazer?

Represar o crescimento? Voltar para a clandestinidade? Ou regularizar-se?

É claro que a resposta é: REGULARIZAR-SE!

A transformação do MEI em ME pode ser feita a qualquer momento, por opção do empreendedor ou de oficio, pelos órgãos competentes, o Estado, quando o empreendimento ultrapassa o faturamento de R$ 60 mil por ano, deia de ter apenas um sócio, abre uma filial ou ainda altera a sua atividade econômica passando a oferecer serviços ou produtos que o governa não autoriza para essa categoria de MEI.

Existe ainda a possibilidade de o próprio empreendedor querer investir no crescimento da empresa, e assim decidir investir na migração de MEI para ME, mesmo que não haja necessidade legal para tal.

Isso é uma operação simples, como veremos a seguir:

A evolução natural é a transformação de MEI para MICRO EMPRESA.

Micro empresa pode ser:

Uma sociedade simples, formada pela união de empresários;
Uma empresa individual, formada apenas por um empresário;
Uma empresa individual de responsabilidade limitada, as EIRELI’s.

Para isso, é preciso que sejam inscritas no Registro de Empresas Mercantis ou no Registro Civil de Pessoas Jurídicas, apresentem renda máxima de R$ 360 mil por ano, não sejam representação, filial ou agência de pessoa jurídica no exterior e os empreendedores (titular e sócio) não podem ter participação com mais de 10% na sociedade de outro negócio que não é enquadrado como ME.

Além dos procedimentos acima, para desenquadramento, também haverá a necessidade de pagamento adicional de tributos.

É relativamente simples o procedimento de transição, os ritos e processos a seguir são expostos aqui:

a) A primeira ação é recolher o DAS/MEI, até dezembro do mesmo ano e mais um DAS complementar, correspondente ao valor que ultrapassar o teto estabelecido, se for o caso. Esse valor será determinado de acordo com o faturamento apurado pela empresa.

a.1)entre R$ 60 mil e R$ 72 mil o pagamento deverá ser realizado até janeiro do ano seguinte, no prazo idêntico dos tributos do Supersimples, a partir desta data, os valores do DAS, serão recolhidos, com taxas variáveis de 4% à 6%, dependendo do faturamento e da atividade.

a.2) acima de R 72 mil os valores retroagem à janeiro do ano anterior, e a alíquota dependerá do valor do faturamento, que poderá ser de R$ 360 mil até R$ 3,6 milhões.

b) A seguir, é necessário solicitar o desenquadramento como MEI, no sitio do Simples Nacional, informando o CNPJ da empresa, o CPF e o título de eleitor do titular. Não havendo impedimento algum, a empresa será imediatamente retirada do SIMEI, tornando-se optante do Simples Nacional.

Cuidado especial deverá ser praticado antes dessa opção, com algum planejamento e estudo, pois essa atitude é irreversível, pelo menos até o ano seguinte.

No caso da comunicação de oficio, obrigatória pelo Estado, o desenquadramento é realizado automaticamente.

c) O passo seguinte é a comunicação à Junta Comercial do Estado de origem da empresa, apresentando:

c.1) A comunicação de desenquadramento do SIMEI, emitida pela seção de CONSULTAS DE OPTANTES, no sitio do Simples Nacional;

c.2) O Formulário de Desenquadramento, modelo que varia de estado para estado;

c.3) Requerimento do empreendedor, solicitando ao presidente da Junta Comercial do Estado, o desenquadramento da sua empresa.

d) E, para finalizar o seu registro como microempresa, falta a adequação dos dados cadastrais perante a Junta Comercial, pois no item anterior, modificou-se apenas a inscrição. Agora é necessário atualizar a Razão Social, ou seja, o nome da empresa e o Capital Social, valor para conseguir girar os negócios da empresa.

É desnecessário salientar que a legalização do negócio é importante, quer seja para o desenvolvimento e crescimento econômico, quer seja para evitar problemas com a fiscalização, evitando, assim possíveis multas. Também é desnecessário afirmar que as responsabilidades aumentam, por isso a necessidade de buscar auxílio de um profissional competente e atualizado.

Roberto Folgueral é contador e diretor da FCDLESP – Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo, entidade que representa 150 mil lojistas e possui mais de 90 CDLs no estado

veja o passo a passo

Veja em quatro passos como passar de MEI para ME.
Passo 1
Folgueral aponta que a primeira coisa a fazer é recolher o DAS/MEI até dezembro do mesmo ano e mais um DAS complementar, que é correspondente ao valor que ultrapassar o teto estabelecido, se for o caso. Segundo o especialista, esse valor será determinado de acordo com o faturamento apurado pela empresa.
1.1 Vale ressaltar que valores entre R$ 60 mil e R$ 72 mil devem ter os pagamentos feitos até janeiro do ano seguinte, mesmo prazo dos tributos do Supersimples. Folgueral alerta que os valores do DAS são recolhidos com taxas variáveis de 4% e 6%, dependendo do faturamento e da atividade.
1.2 Se for acima de R$ 72 mil, os valores retroagem a janeiro do ano anterior, e a alíquota dependerá da receita faturada, que poderá variar entre R$ 360 mil e R$ 3,6 milhões.

Passo 2
No segundo passo, é necessário entrar com pedido de desenquadramento como MEI, no sítio do Simples Nacional. Deverá ser informado o CNPJ da empresa, o CPF e o título de eleitor do empresário. Sem ressalvas, o negócio será imediatamente retirado do SIMEI, tornando-se optante do Simples Nacional.
O especialista ressalta que se deve pensar muito antes de dar esse passo, uma vez que a atitude é irreversível até o ano seguinte.
Em relação à comunicação sobre a mudança, esta é feita automaticamente, sem qualquer irregularidade perante o Estado.
Passo 3
Já a comunicação à Junta Comercial do Estado de origem da empresa deve ser feito pelo empreendedor, da seguinte forma:
3.1 Na seção de Consulta de Optantes, no sítio do Simples Nacional, a comunicação de desenquadramento do Simei deve ser emitida.
3.2 Roberto Folgueral alerta que o modelo de Formulário de Desenquadramento varia de estado para estado.
3.3 Além disso, o empreendedor deve requerir o desenquadramento da empresa ao presidente da Junta Comercial do Estado.
Passo 4
“Para finalizar o seu registro como microempresa, falta a adequação dos dados cadastrais perante a Junta Comercial, pois no item anterior, modificou-se apenas a inscrição. Agora é necessário atualizar a Razão Social, ou seja, o nome da empresa e o Capital Social, valor para conseguir girar os negócios da empresa”, diz Folgueral.
Além disso, o contador não deixa de relembrar que a legalização é um passo importante para o micro empreendedor, e tem consequência tanto para o desenvolvimento econômico, quanto para evitar problemas de fiscalização, com possíveis multas. Vale destacar que a legalização também traz mais responsabilidades, o que resulta na necessidade da busca de auxílio de um profissional competente e atualizado.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja um associado

Independente do porte e segmento da sua empresa, na ASSOCIAÇÃO certamente existe um benefício perfeito para vocé